analise do crysis 2

Intro


Ao adquirir Crysis 2 você irá possuir um dos jogos mais imersivos no gênero Sci-fi já feitos. Ignore as hordas de FPSs que andam constantemente saindo para as plataformas de nova geração, porque Crysis 2 claramente se destaca, tanto na ambientalização quanto no próprio gênero proposto.
O game sabe equilibrar os vários cenários, os modos de gameplay. Nos momentos de stealth você tem uma grande variedade de formas de matar seus inimigos, você também pode transformá-las em mais agressivas, que também possuem seus próprios equipamentos e técnicas. O jogo segue uma forma básica mas bem eficaz, você de ir de um ponto “A” a um ponto “B”, entretanto os cenários são relativamente grandes, e você pode construir o seu caminho em direção ao objetivo, o que faz o replay do jogo valer a pena.

Enredo


O jogo se passa em NY e mostra a luta dos humanos contra a raça alienígena denominada Ceph. Essa raça feita de material orgânico amórfico que usa uma espécie de armadura que lhe da forma e também protege, mas a principal arma dos alienígenas não é algo exatamente “explosivo”, mas sim um espóro extremamente tóxico.
Você encarna Alcatraz, um marine enviado junto a um grupo de militares para combater a ameaça alienígena. Antes mesmo de entrar em ação, Alcatraz e seu grupo (que estão em um submarino) são atacados, alguns morrem e outros se separam, deixando assim Alcatraz em seu leito de morte. Eis então que ele é salvo pelo Major Laurence Barnes (nome que você não vai ouvir em momento algum do game), Codenome: Prophet (conhecido da série) que o retira do campo de batalha. Ao acordar Alcatraz esta trajando a NanoSuit e Prophet está morto, uma mensagem deixada por Prophet diz que foi infectado e apenas Alcatraz poderia terminar o que ele começou. Entretanto o enredo é extremamente mais complexo do que essa pequena introdução, um pequeno descuido de atenção e você se perde nas inúmeras informações do game. Um ótimo exemplo é o fato de que no jogo, seus aliados o chamarão de Prophet um tempo (pois ninguém sabe da troca de usuários na Nanosuit) e depois vão chamá-lo de Alcatraz, já seus inimigos, sempre o chamarão de Prophet, sem falar no desfecho do game que deixa as coisas ainda mais confusas.

In-Game

Comandos e Jogabilidade

Os comandos são extremamente intuitivos e fáceis, mesmo em um momento de “susto” onde você irá ativar a sua armadura ou a invisibilidade para se proteger. A simplicidade dos comandos ajuda também a trocar seus atributos especiais com grande velocidade que são divididos em 4 grupos, cada grupo com 4 habilidades, entretanto você só pode ativar 1 habilidade por grupo de cada vez. Fazer os quartetos certos nas horas adequadas é um ótimo trunfo em batalhas mais “apimentadas”.

Sistema de Combate

A parte FPS do game se encontra apenas na parte da perspectiva. O jogo oferece inúmeras formas de combate, você dispõe de 2 slots de armas, permitindo que possa fazer sua própria “dubla” de armas, (Shotgun/Assault, Sniper/Shotgun, Pistol/Sniper etc…), a bazuca possui um Slot próprio que te permite carregar 4 tiros, igualmente ao C4. Além disso, você pode interagir com alguns objetos do cenário, pegando-os e arremessando-os contra seus inimigos. Você também pode chutar (literalmente falando) os carros e coisas pesadas dos cenários nos seus inimigos.

Sonoplastia

Uma das partes mais agradáveis do game, e onde a imersão fica mais evidente. Durante suas ações com a nanosuit ela literalmente conversa com você, usando uma voz robótica e extremamente poderosa, ditando cada ação feito pelo jogador como por exemplo: “nanovigion Enable” (ao ativar a visão de calor) e por ai vai, nas ativações de camuflagem, Blindagem e diálogos de CGs.
As armas também tem um ponto especial, sendo muito fiéis aos seus calibres e aos seus sons que fariam na vida real (mesmo nenhuma arma do game existir realmente).

Gráficos

O Game oferece gráficos limpos e muito bem modelados, apesar dos constantes lags do game (que são muitos). As partes mais evidentes da capacidade gráfica do game ficam por conta dos momentos que você usa a NanoSuit, a transformação em invisibilidade e etc. Também não podemos deixar de mencionar o 3D (normalmente não escrevo sobre o que não conheço, mas dei uma testada no 3D de Crysis 2) que é simplesmente perfeito e que dá uma outra sensação ao gamer. A diferença gráfica entre consoles e PC do Crysis2 é bem menor do a diferença que o BulletStorm apresentou (que é gritante). O 3D bota a plataforma em um novo nível de interatividade.

Conclusão


O game possui um modo campanha com muitas horas de jogo, bastante conteúdo extra e o multiplayer legal. Um jogo que vale a pena, mesmo com os seus lags irritantes e seu multiplayer bem falho , mesmo entrando em contradição com o que eu falei, (que, para quem não sabia, já possuía 2 hacks na versão DEMO).


nota: 10/10
Compartilhar Google Plus

Sobre GabrielMKL

um viciado em play 3
    Comentar com Blogger
    Comentar com Facebook

0 comentários:

No trecho destacad